[ editar artigo]

Tudo sobre Diabetes Gestacional

Tudo sobre Diabetes Gestacional

Cerca de 7,5% das brasileiras são diagnosticadas todos os anos com diabetes gestacional. Segundo o Ministério da Saúde, esse é o número de mulheres que desenvolvem o diabetes na gravidez, mesmo sem você ter desenvolvido a doença anteriormente. A manifestação da condição acontece, principalmente, no último trimestre, e merece total atenção da mamãe e do papai! Confira informações preciosas sobre o assunto:

O que é?

O diabetes gestacional é uma condição caracterizada pelo aumento dos níveis de glicose no sangue que é reconhecida pela primeira vez durante a gravidez.

Por que ela surge?

Durante a gravidez ocorrem diversas adaptações na produção hormonal materna para permitir o desenvolvimento do bebê. Uma delas está na placenta: na gestação, o órgão produz diversos hormônios que podem bloquear parcialmente a ação de insulina, a substância responsável pelo transporte do açúcar do sangue para dentro das células. Para compensar, o pâncreas reage aumentando a produção de insulina. Porém, em algumas mulheres, este processo não ocorre em equilíbrio. Em outras palavras, a produção de insulina é insuficiente para que o corpo processe adequadamente o excedente de glicose que está na circulação. Consequentemente, conforme as semanas de gravidez avançam e a placenta cresce, eleva-se o risco do diabete surgir.

Principais sintomas

Infelizmente, os indícios da diabetes gestacional não são facilmente percebidos, pois muitos são confundidos com as alterações comuns da gravidez, como excesso de fome, muita sede e ganho de peso exagerado na mulher ou no bebê. Por isso, tanto mamãe quanto papai devem ficar atentos aos exames necessários para se identificar o quadro!

Como é feito o diagnóstico?

Os exames para diagnosticar a diabetes gestacional devem ser feito entre as 24 e as 28 semanas de gravidez. Confira quais são os principais testes usados nesta análise:

Curva glicêmica

O exame de curva glicêmica mede a velocidade com que seu corpo absorve a glicose após a ingestão. O paciente ingere 75g de glicose e é feita a medida das quantidades da substância em seu sangue em jejum, uma hora e duas horas após a ingestão. Os valores de referência são:

  • Em jejum: abaixo de 92mg/dl

  • Após 1h: abaixo de 180mg/dl

  • Após 2 horas: abaixo de 153 mg/dl

  • Qualquer dosagem aleatória de glicêmia maior que 200 mg/dl já é diagnóstico de diabetes.

Glicemia de jejum

A glicemia de jejum é um exame que mede o nível de açúcar no seu sangue naquele momento, servindo para monitorização do tratamento do diabetes. Os valores de referência ficam entre 65 a 92 miligramas de glicose por decilitro de sangue (mg/dL). O que significam resultados anormais:

  • Resultados entre 92 mg/dL e 100 mg/dL são considerados anormais próximos ao limite e devem ser repetidos em uma outra ocasião

  • Valores acima de 100 mg/dL já são bastante suspeitos de diabetes, mas também devendo ser repetido em uma outra ocasião.

É preciso esperar até às 24 semanas de gestação?

O exame pode ser feito antes desse período se a grávida apresentar níveis elevados de glicose em algum teste de urina ou se encaixar em um dos seguintes grupos de risco:

  1. Idade superior a 25 anos

  2. Histórico familiar de diabetes

  3. Diabetes gestacional anterior

  4. Bebês de gestações anteriores que nasceram com mais de 4 kg

  5. Gestações anteriores com bebê natimorto inexplicável

  6. Tolerância à glicose diminuída ou glicemia de jejum alterada (níveis de açúcar no sangue altos, mas não o suficiente para ser diabetes)

  7. Aumento do líquido amniótico (uma condição chamada de polidrâmnio)

  8. Excesso de peso antes da gravidez

  9. Ganho excessivo de peso na gravidez

  10. Raças negra, hispânica, indígena ou asiática

Tratamento

A maior parte das mulheres que têm diabete gestacional consegue controlar as taxas de açúcar apenas com dieta e, se não houver contraindicação, com a prática de uma atividade física. Apenas 20% das mamães diagnosticadas precisam fazer uso de insulina, que é um tratamento seguro e não afeta nem a gestante e nem o bebê. O médico responsável avaliará o grau do problema. Se as taxas de açúcar estão pouco alteradas não é preciso entrar com remédios!

Lembrando que não é difícil manter uma dieta saudável neste último trimestre. O indicado é incluir frutas, legumes e grãos integrais e reduzir carboidratos altamente refinados, como os doces. Você pode querer consultar um nutricionista ou um endocrinologista para criar um plano de refeições com base no seu peso atual, nível de açúcar no sangue, hábitos de exercício e preferências alimentares!

Quais os perigos da diabetes gestacional?

Essa condição não é motivo de pânico. Comprovadamente, a maioria das mulheres com diabetes gestacional têm seus bebês saudáveis! Para isto, basta monitorar e controlar os níveis glicêmicos regularmente.

É claro que se o quadro for negligenciado, ele pode elevar os níveis de açúcar no sangue e causar problemas, tanto para mamãe quanto para o bebê, incluindo um aumento da probabilidade de parto cesáreo.

Complicações para o bebê

Se você tem diabetes gestacional não controlada, o bebê pode ter um risco aumentado de:

  • Peso excessivo ao nascer

  • Nascimento de bebê prematuro

  • Síndrome do desconforto respiratório

  • Hipoglicemia logo após o nascimento

  • Diabetes tipo 2 mais tarde na vida

Complicações para gestante

  • Pressão arterial elevada e pré-eclâmpsia

  • Diabetes no futuro.

Entre as mulheres com história de diabetes gestacional que atingem o seu peso corporal ideal após o parto, menos de 1 em cada 4 eventualmente desenvolve diabetes tipo 2.

Como se prevenir da diabetes gestacional? Separamos 4 dicas práticas!

  1. Acompanhe o seu ganho de peso e não engorde além do recomendado pelo obstetra.

  2. Se antes de engravidar você estiver com sobrepeso, emagreça antes da concepção e mantenha seu Índice de Massa Corpórea (IMC), resultado da divisão entre o peso e a altura ao quadrado, entre 20 e 25.

  3. Se puder, faça um acompanhamento nutricional. Além de garantir uma alimentação saudável, o profissional vai controlar os quilos extras e as taxas de açúcar em seu sangue.

  4. Pratique atividade física, como caminhada ou ioga, diariamente durante toda a gestação. Exercícios físicos controlam a taxa de açúcar no sangue, mas só devem ser realizados após a autorização do seu obstetra.

E você mamãe, passou pela diabetes gestacional com o seu pequeno? Como fez para se cuidar? Foi preciso tomar insulina? Conte a sua história para nós!

Comunidade Alô Bebê
Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Ler matéria completa
Indicados para você