[ editar artigo]

O que é o teste da linguinha?

O que é o teste da linguinha?

Ao nascerem, os bebês passam por uma bateria de exames que garantem que eles estão bem e que vieram ao mundo saudáveis. Entre as mais conhecidas dessas provas está o famoso Teste do Pezinho, que serve para identificar e diagnosticar uma variedade doenças congênitas, metabólicas e infecciosas, como a fibrose cística, a hiperplasia adrenal congênita e o hipotireoidismo congênito.

LEIA MAISPor que bebês não devem ingerir mel?

Existe mais um exame que, embora seja menos conhecido, também é importante, tanto que se tornou obrigatório no Brasil desde 2014. Estamos falando do Teste da Linguinha, que deve ser conduzido em todas as maternidades do País, o que significa que os pais têm o direito de exigir que ele seja realizado. Esse é o assunto deste texto, então a seguir esclareceremos todas as dúvidas sobre o teste.

Por que o Teste da Linguinha é realizado?

Você já deve ter ouvido o termo "língua presa". O Teste da Linguinha é realizado justamente para verificar se o bebê nasceu com esse problema, uma condição que se dá quando o tecido sob a língua, o chamado frênulo, que conecta a língua ao assoalho da boca, é mais curto do que deveria, mais espesso ou pouco flexível, ocasionando uma restrição nos movimentos da língua. Na realidade, o termo médico para a falha é anquiloglossia, que consiste em um transtorno congênito presente em 1% a 2,8% das crianças no mundo – o que significa que se trata de uma condição relativamente incomum.

Causas da "língua presa"

Embora seja um problema de nascença, não existem evidências conclusivas que apontem que a anquiloglossia seja uma condição herdada dos pais. Entretanto, alguns estudos apontam que a "língua presa" parece ser mais prevalente quando há histórico familiar. De modo geral, existem duas causas principais para o seu surgimento: uma delas é que o frênulo simplesmente é curto demais ou pouco flexível; e a outra é que, durante o desenvolvimento da língua, essa membrana não se recolhe como deveria e continua presa à ponta da língua. Nesse segundo cenário, o principal sinal é que, quando a criança mostra a linguinha, a ponta apresenta formato de coração.

Além disso, existem diferentes graus de anquiloglossia, sendo que os mais suaves se caracterizam por a língua ficar apenas conectada por uma fina camada de tecido, enquanto nos casos mais severos, o bebê pode nascer com a língua completamente conectada ao assoalho da boca. Esse “tecido” que mencionamos consiste em uma membrana semelhante à mucosa presente na parte interna das bochechas, próxima à parte traseira dos molares e sob o lábio superior, onde ele se conecta com a arcada.

Como identificar?

O diagnóstico deve sempre ser feito por um especialista, mas as crianças que nascem com a língua presa geralmente não conseguem projetar a língua além dos lábios nem lambê-los, não podem tocar o céu da boca com a ponta da língua, não movem bem a língua para os lados ou cantos da boca, têm a ponta da língua com aparência achatada ou mais “quadrada” quando é estendida – em vez de mais arredondada, como é o comum – e formato de coração quando elevada. Ademais, é comum que, por conta da condição, exista maior espaçamento entre a arcada superior e a inferior, podendo gerar problemas durante a amamentação, já que os bebês com esse espaço extra tendem a pressionar e machucar os mamilos da mãe.

LEIA MAIS O que fazer com um bebê que morde todo mundo?

Falando em amamentação, bebês nascem com vários reflexos importantes que os ajudam nos primeiros dias e ao longo dos primeiros meses de vida, e muitas dessas reações são involuntárias e acontecem de forma espontânea ou como resposta a algum estímulo. O ato de sugar, por exemplo, é desencadeado quando o céu da boca do recém-nascido é tocado, então, se essa região não for estimulada pela língua, o bebê pode ter mais dificuldades na hora de mamar, seja no peito da mãe, seja na mamadeira.

Além disso, como ter o frênulo lingual encurtado restringe os movimentos da língua, a condição favorece que os bebês tenham problemas na hora da pega e de sugar o leite materno, fazendo com que eles soltem o mamilo com mais frequência durante as mamadas, fiquem mais irritados na hora de mamar, gastem mais energia do que deveriam e exijam que as sessões de amamentação sejam mais longas e frequentes. Ademais, os pequenos tendem a se sentir nauseados e a regurgitar depois de mamar com mais facilidade também – e tudo isso contribui para que eles tenham dificuldades para ganhar peso.

Como o Teste da Linguinha é realizado?

O exame é bastante simples e, basicamente, o médico levanta e move a língua do bebê para verificar se a pele que a conecta ao assoalho da boca é muito curta, espessa demais, pouco flexível ou se há alguma anomalia. Caso algum problema seja identificado, cabe ao profissional indicar o tratamento mais adequado, uma vez que essa condição pode gerar complicações futuras ao pequeno.

Conforme mencionamos, uma consequência mais imediata é que o frênulo encurtado comprometa o aleitamento materno e inclusive prejudique a alimentação através de mamadeira, uma vez que a dificuldade de sugar faz com que a criança acabe “engolindo” mais ar durante as mamadas, ocasionando quadros mais frequentes de soluços, gases e cólicas. E, mais tarde, a criança pode enfrentar complicações na hora de mastigar e engolir alimentos sólidos e ter o desenvolvimento da fala prejudicado.

É importante frisar que nem todos os bebês que apresentam dificuldades na hora de mamar ou ganhar peso têm a língua presa, e nem todos os pequenos que têm a condição desenvolvem problemas de alimentação ou de fala. Tudo depende do grau de anquiloglossia de cada criança e do correto diagnóstico oferecido pelo especialista. Mas é comum, quando o quadro não é corretamente diagnosticado, que muitas mães que enfrentam adversidades na hora de amamentar se convençam de que o problema está na qualidade do leite ou em sua capacidade de dar de mamar e acabem optando pela mamadeira – o que não é recomendado, já que o aleitamento materno é superimportante.

Outra questão que deve ser mencionada é que não existe um consenso entre os pediatras, visto que alguns defendem que, uma vez seja diagnosticado que o recém-nascido tem a língua presa, a condição deva ser imediatamente tratada. Contudo, pelo menos em locais como Austrália, Reino Unido e Estados Unidos, cada vez é maior o número de profissionais que defendem que a melhor abordagem é esperar, já que pode acontecer de a anquiloglossia se resolver sozinha com o tempo. De qualquer forma, cabe ao médico identificar a condição e discutir as melhores opções com os pais.

Tratamento

Se a cirurgia for indicada logo após o nascimento, é essencial saber que ela é bem simples e consiste na realização de um pequeno corte – com uma tesoura cirúrgica – para soltar o frênulo. O procedimento é feito com a aplicação de anestésico local, o sangramento é mínimo e o bebê pode mamar imediatamente após a cirurgia. Aliás, é indicado que o pequeno realmente mame logo em seguida, já que o movimento de sucção comprime o assoalho da boca.

LEIA MAIS  - Como cuidar dos dentinhos do bebê

Caso a criança tenha que passar pela cirurgia mais tarde, tipicamente a operação é realizada sob anestesia geral, para que o paciente esteja adormecido durante a ação. É muito raro que aconteçam complicações, mas, assim como em todo procedimento médico, existem alguns riscos envolvidos, como sangramento e infecção ou danos às glândulas salivares ou à língua. Também pode acontecer de a cicatrização propiciar a reconexão do frênulo à base da língua, mas esses cenários são bem incomuns.


Gostou do conteúdo deste artigo? Então aproveite para conferir as demais publicações sobre saúde infantil aqui na comunidade!

Comunidade Alô Bebê
Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Ler matéria completa
Indicados para você