[ editar artigo]

O que é o piebaldismo e como devemos cuidar dos pequenos portadores

O que é o piebaldismo e como devemos cuidar dos pequenos portadores

Piebaldismo. O nome pode ser estranho, mas você já deve ter visto alguém com essa condição, caracterizada por uma mecha de cabelo branco ou pequenas regiões de pele desprovidas de pigmentação. É importante não confundir o piebaldismo com o vitiligo, já que se tratam de afecções diferentes, então a seguir explicaremos quais são as causas, os impactos na vida dos pequenos e os cuidados necessários com os portadores.

Condição rara

O piebaldismo consiste em uma condição genética em que os melanócitos (células que determinam a tonalidade da pele, dos olhos e dos cabelos) estão completamente ausentes em algumas regiões do corpo. Em quase 90% dos portadores de piebaldismo, a área desprovida de pigmentação se encontra na testa, junto à linha em que começa o couro cabeludo, por isso é comum a presença de mechas de cabelo com fios brancos, mas a condição também pode afetar sobrancelhas e cílios.

Causado por mutações genéticas que afetam a produção de melanina pelo organismo, o piebaldismo quase sempre pode ser identificado já no nascimento. Por se tratar de uma condição autossômica dominante, as chances de que um portador a transmita para os filhos é de 50%. Além disso, a condição não tem cura, mas a boa notícia é que o piebaldismo não oferece riscos à saúde, embora exija alguns cuidados.

LEIA MAISAlimentação durante a amamentação: o que comer e o que evitar

Como o piebaldismo se caracteriza por criar regiões desprovidas de melanina, essas áreas ficam mais expostas aos efeitos dos raios solares e podem se tornar mais propensas a queimaduras, aumentando o risco de surgimento de câncer de pele. Assim, é importante manter o local bem protegido e sempre aplicar protetor solar.

Existem tratamentos que podem ajudar em alguns casos, como a dermoabrasão seguida de fototerapia para estimular a pigmentação da pele e o transplante de melanócitos e queratinócitos, que são células produtoras de melanina. Outra questão é que as crianças podem desenvolver problemas de autoestima por conta das mechas brancas ou áreas sem pigmentação, e cabe aos pais e responsáveis trabalhar com os pequenos para que eles não sofram com distúrbios psicológicos ou de autoimagem.

Não confunda

No caso do vitiligo, que pode ser confundido com o piebaldismo, é uma doença autoimune rara – apenas 1% da população é afetado por ela – em que o próprio corpo ataca os melanócitos, causando variações na pigmentação da pele, dos cabelos, dos olhos, das mucosas etc., porém não é uma condição genética. A Síndrome de Alezzandrini é outro problema que pode causar confusão, já que também provoca variações na cor da pele, dos olhos e dos cabelos, mas se trata de uma doença bastante rara, provocada por infecção viral ou parte de uma condição autoimune.

Existe ainda a poliosis circumscripta, que consiste na ausência de pigmentação em áreas em que existem pelos e cabelos, como couro cabeludo, cílios e sobrancelhas. Isso significa que os portadores de piebaldismo geralmente apresentam poliose.

LEIA MAIS  - O que fazer com um bebê que morde todo mundo?

Entretanto, a presença de mechas brancas também pode ser sinal de várias outras condições, como a Síndrome de Waardenburg, uma doença genética que se caracteriza pela perda de audição e por variações na tonalidade da pele, dos cabelos e dos olhos; a esclerose tuberosa, que também é genética e provoca o surgimento de tumores benignos em diversas partes do corpo; a Síndrome de Vogt-Koyanagi-Harada, que é autoimune e afeta apenas os olhos; a Alopecia Areata; e doenças inflamatórias.


Você tem alguma experiência ou história sobre maternidade para compartilhar? Que tal dividir conosco na nossa comunidade? Adoraríamos dividir esse espaço com você!

Comunidade Alô Bebê
Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Ler matéria completa
Indicados para você